Bancários promovem ato nacional por fim de assédio sexual, proteção às vítimas e punição de assediadores

bancário assédio sexual
Reprodução

O Comando Nacional dos Bancários orientou sindicatos da categoria em todo o país a realizar um dia de luta contra o assédio moral e sexual nesta terça-feira (5). O objetivo do ato é intensificar as denúncias desencadeadas por empregadas da Caixa Econômica Federal contra a conduta de seu ex-presidente, Pedro Guimarães. E exigir que as apurações iniciadas pelo Ministério Público do Trabalho sejam aprofundadas. Atos de protestos devem ocorrer nas agências, locais públicos e também ocupar as redes sociais a partir das 11h30 com a hastag #BastaDeAssédio.

Os protestos ocorrem também na véspera de negociação entre bancários e Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), marcada para as 14h de amanhã (6). O tema da reunião é igualdade de oportunidades. Entre as reivindicações dos bancários estão, inclusive, cláusula específica sobre assédio sexual na categoria. Pela proposta, as denúncias seriam apuradas por meio de comissão formada por representantes dos sindicatos e das empresas, garantido o sigilo das vítimas. O tema vem sendo fortemente discutido em todo o país, após o episódio envolvendo Guimarães.

A presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, afirma que as entidades sindicais bancárias têm repercutido os fatos cobrando apuração na Caixa. “Não vamos parar enquanto todos os casos não forem investigados e os culpados, punidos”, disse. Segundo Juvandia, o foco dos protestos e das negociações será o “respeito às mulheres, a equidade de condições no trabalho, a exigência de respeito e acolhimento às colegas denunciantes”.

Cultura de assédio

“Esse ato é para pedir essa apuração rigorosa e para que a categoria se manifeste contra qualquer tipo de assédio, pois sabemos que o ambiente de trabalho bancário, com cobrança excessiva de metas, é um campo fértil para esse problema”, afirma a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva. “Os bancários estão entre os que mais adoecem em consequência da violência institucionalizada nas instituições financeiras. Basta de assédio moral e sexual”, diz Ivone, que, como Juvandia, é coordenadora do Comando Nacional.

Em entrevista ao programa Fantástico, deste domingo (3), o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto, falou sobre a cultura de assédio como forma de gestão implementada por Guimarães. “Tentamos discutir com a gestão de Pedro Guimarães, mas infelizmente era uma gestão que não respeitava os trabalhadores, não tinha diálogo com os empregados”, disse.

A reportagem também destacou pesquisa encomendada pela Fenae, realizada no final de 2021, sobre as condições de saúde dos trabalhadores da Caixa. “Pesquisa da Fenae, feita com 3.034 funcionários, mostra que seis em cada 10 sofreram assédio moral em 2021. E quase 70% já testemunharam esse tipo de assédio no trabalho”, mostra a pesquisa.

“Queremos com esse ato que a Caixa apure essas denúncias e que responsabilize os culpados. Assédio sexual é crime. E se é crime, os dirigentes da Caixa têm que pagar por isso”, diz Clotário Cardoso, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa e diretor da Fenae.

Ampliar investigações e proteger denunciantes

Na semana passada, em entrevista à RBA, a representante dos empregados da Caixa no Conselho de Administração, Maria Rita Serrano, havia antecipado que solicitaria contratação de auditoria independente para aprofundar as investigações internas da cultura de assédio. Alertava ainda que seria preciso identificar outras pessoas com posição de poder, além do presidente, que pudesse atuar em cumplicidade ou conivência com a prática.

“É fundamental garantir proteção às funcionárias e funcionários para que possam se sentir seguros para denunciar abusos e desmandos como esses. Além disso, é preciso ampliar os canais de acesso dos empregados aos órgãos de controle. Para que tenham autonomia e garantias de que suas denúncias não serão em vão, nem sua integridade ameaçada”, diz a conselheira.

Ontem (4), a recém-nomeada presidenta da Caixa, Daniella Marques, confirmou que será selecionada uma entidade independente para apuração das denúncias. Afirmou ainda que o vice-presidente de logística, Antonio Carlos Ferreira, e seis funcionários vinculados à presidência do banco sob Guimarães foram afastados dos cargos. Desse modo, justificou, não pretende fazer pré-julgamentos, mas reformular a equipe de comando sob novas diretrizes.

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.