Artigos de menuUltimas notícias

Bolsa Família é a ‘notícia mais positiva’ do governo Lula, segundo pesquisa

Além do programa de transferência de renda, os entrevistados citaram a redução nos preços, a proteção da Amazônia e dos povos indígenas, volta do Minha Casa Minha Vida e atração de investimentos estrangeiros para o país

Programa social é o mais lembrado como ação positiva do governo – MDS/Divulgação

O programa Bolsa Família no valor de R$ 600 com mais R$ 150 para cada criança até 6 anos é a notícia mais positiva do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O dado é da pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira (16). A política social desmontada e desfigurada no governo de Jair Bolsonaro (PL) foi reestruturada logo no início deste terceiro mandato.

Sob o comando do ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate a Fome (MDS), Wellington Dias, a política de transferência de renda atende mais de 21 milhões de famílias. E permitiu a retirada de 18,5 milhões de famílias da linha da pobreza só nesses oito meses de governo Lula.

“O Bolsa Família é referência mundial no combate a fome e a pobreza; a população sente os efeitos positivos dessa ação. É um programa potente do governo Lula que faz diferença na vida das pessoas mais pobres garantindo a elas recursos para colocar comida na mesa, além de ajudar a manter os filhos na escola e o cuidado com a saúde de todos os membros da família”, disse o ministro.

Em julho, o programa foi o mais bem avaliado entre as ações deste terceiro governo segundo um levantamento do Instituto de Pesquisa de Reputação e Imagem (IPRI). Encomendada pelo Palácio do Planalto, a pesquisa mostrou que a política de distribuição de renda articulada com outras ações sociais, de saúde e educação é também a mais conhecida.

Bolsa Família foi o mais lembrado em outra pesquisa, em julho

A pesquisa do IPRI também comparou o atual Bolsa Família com o antigo Auxílio Brasil, do governo de Jair Bolsonaro (PL). Entre os beneficiários do programa, a maioria (58%) disse que o atual está melhor que o da gestão passada. Para 27% do total de entrevistados está igual. E apenas 11% responderam estar pior do que o programa anterior.

Têm direito ao benefício famílias inscritas no Cadastro Único (CadÚnico), com os dados corretos e atualizados. O cadastramento é feito em postos de atendimento da assistência social dos municípios, como os CRAS. Para ser beneficiado, cada membro da família deve ter renda máxima de R$ 218 por mês. Assim, em uma família com seis pessoas que vive com um salário mínimo mensal (R$ 1.302), a renda de cada um é de R$ 217. Portanto está apta a receber o Bolsa Família.

Os programas de impacto social e ambiental são os mais lembrados pelos eleitores ouvidos na pesquisa Genial/Quaest. É o caso da diminuição nos preços, a volta do Minha Casa Minha Vida, o aumento do salário mínimo acima da inflação e também investimentos estrangeiros trazidos pelo governo, com criação de novos empregos. O levantamento também mostrou a importância de políticas voltadas à preservação ambiental. Tanto que a proteção da Amazônia e dos povos indígenas aparecem em terceiro lugar.

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *