Artigos de menuUltimas notícias

Correção da tabela do Imposto de Renda mantém defasagem, mas Unafisco diz que plano do governo isentaria 33 milhões de contribuintes

Unafisco estima que correção total evitaria R$ 181 bilhões recolhidos indevidamente. Menor arrecadação poderia ser compensada com tributação de dividendos e imposto sobre fortunas

Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Governo editou medida provisória 1.171, que alterou a faixa de isenção. O valor passou de R$ 1.903,98, vigente desde 2015, para R$ 2.112, correção de 10,93% – Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O anunciado plano do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva de aumentar para R$ 5 mil a faixa de isenção na tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) deixaria isentos 33,3 milhões de contribuintes. O cálculo é da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco Nacional), que em nota técnica atualizou impactos da correção da tabela, inclusive para 2024.

“Com a correção total, 32,7 milhões de contribuintes estariam isentos, resultando em R$ 264,74 bilhões de impostos recolhidos indevidamente. Se concretizado o plano do governo de aumentar a isenção para R$ 5 mil, 33,3 milhões de contribuintes seriam isentos, com um imposto recolhido indevidamente de R$ 181,11 bilhões”, diz a Unafisco. “Outras medidas e a introdução de um imposto sobre grandes fortunas poderiam compensar a redução da arrecadação.”

Faixa de isenção

Em 30 de abril, o governo editou a Medida Provisória (MP) 1.171, que alterou a faixa de isenção. O valor passou de R$ 1.903,98, vigente desde 2015, para R$ 2.112, correção de 10,93%.

Para calcular a defasagem da tabela, a Unafisco considera o IPCA-IBGE acumulado desde 1996, quando deixaram de ser aplicados os reajustes anuais, até 2021. Nesse período, houve correção em 2002 (último ano do governo FHC) e de 2005 a 2015 (governos Lula e Dilma).

Defasagem acumulada

Assim, considerando as alterações decorrentes da MP 1.171, a entidade concluiu que “para apuração do imposto devido durante o ano-calendário de 2023 seria necessária a correção da atual tabela de IRPF no percentual de 130,27% para a primeira faixa e 155,43% para as demais, valor apurado a partir do IPCA acumulado até maio de 2023”.

Pela simulação na nota, se houvesse correção integral da tabela agora, a faixa de isenção subiria para R$ 4.863,30 – valor próximo do plano do governo para o decorrer da gestão. Neste ano, foram recebidas 41.151.5155 declarações. A estimativa para 2024 é de 43,8 milhões.

Exercício de 2024

Já a projeção de arrecadação com o IRPF chega a R$ 452,11 bilhões para o exercício de 2024. Por outro lado, considerando o reajuste na tabela do IRPF em 130,27% para a primeira faixa, 155,43% para as demais, e o coeficiente de ajuste da metodologia de 6,31%, o valor estimado
está na ordem de R$ 187,37 bilhões. Portanto, a correção integral da tabela do IRPF ocasionaria um valor indevidamente recolhido das famílias na ordem de R$ 264,74 bilhões.”

A isenção para R$ 5.000, promessa de campanha, corresponderia a uma correção de 136,74%. Com ajuste linear nas demais faixas, o índice adotado seria de 162,61%.

Carga tributária

Essa alteração corresponderia a um alívio da carga tributária de R$ 270,99 bilhões. A arrecadação passaria do valor atual de R$ 452,11 bilhões para R$ 181,11 bilhões. “Com isso, ocorreria um aumento potencial de 22.666.679 contribuintes que atualmente não são beneficiados pela
isenção e passariam a ser, totalizando 33.258.197 isentos.” Mas a Unafisco lembra que a alteração da faixa de limite de isenção para R$ 2.112 não representa mudança significativa de cenário. “Assim como o desconto simplificado opcional, a medida não representa qualquer alívio à classe média, que em razão da elevada carga tributária é responsável por arcar com a maior parte da arrecadação.”

“A redução na arrecadação do IRPF pode ser compensada por ações que atendam ao princípio da capacidade contributiva, sem onerar a parcela mais fragilizada da população”, afirma ainda a Unafisco Nacional. “Nesse sentido, a tributação da distribuição de dividendos, a instituição do Imposto sobre Grandes Fortunas e a redução de privilégios tributários são exemplos que tributariam as faixas com maior capacidade contributiva, e proporcionaria que o novo limite de isenção do IRPF fosse aplicável sem maiores perdas arrecadatórias.”

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *