Artigos de menuUltimas notícias

Empresas de aplicativo não cumprem direitos trabalhistas, mostra professora da USP

Entregador no metrô Fradique Coutinho, SP. Maio de 2022

Um estudo da Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia, apresentou dados referentes à renda líquida de entregadores e motoristas de aplicativo. Os dados, que consideram que os trabalhadores atuaram por 40 horas semanais em corridas e entregas, geraram otimistas. Especialistas e pesquisadores da Trab21, parceira da Fairwork Brasil, entretanto, foram mais a fundo na pesquisa e descobriram inconsistências metodológicas na nota, o que interfere no resultado.

Segundo a professora Roseli Figaro, coordenadora do Centro de Pesquisa em Comunicação e Trabalho da Escola de Comunicações e Artes da USP e do projeto Fairwork Brasil, a nota da Associação considerou que como tempo de trabalho o tempo que o entregador está conectado ao aplicativo. Mas “eles são remunerados de fato pelo período de entrega e pelo período da corrida e não pela quantidade de horas que eles ficam disponíveis para esse trabalho. É como se nós [professores], por exemplo, fôssemos pagos apenas pelo número de horas exatas em que estamos dentro da sala de aula e não pelo número de horas que de fato estamos trabalhando em todas as outras demais atividades e disponíveis para as atividades de ensino, pesquisa etc”, explica Roseli.

Ela também chama a atenção para a falta de transparência nos dados divulgados pelas empresas de aplicativo e afirma que tais empresas “cumprem a legislação que diz respeito ao direito ao trabalho e não cumprem também as informações que dizem respeito a fornecimento de dados para o governo”. Como exemplo, afirmou que como eles não têm trabalhadores vinculados a elas, não preenchem a Rais (Relação Anual de Informações Sociais), que é a relação anual de dados sobre o serviço prestado, sobre o vínculo dos trabalhadores. “Nós não sabemos se são 1,5 milhão de trabalhadores, se são 1,6 milhão ou se são 2 milhões, porque não é possível ter esses dados, visto que as empresas não os fornecem”, comenta Roseli.

O perfil dos trabalhadores de aplicativo é de “uma história de trabalho já informal, trabalho de ‘bico’, trabalhadores que perderam emprego durante a pandemia ou em outros momentos. Aquela história de que esse trabalhador é aquele que está fazendo um complemento a uma renda que ele já tem fixa, essa realidade poderia ter sido em 2015 e 2016. Mas hoje ela deixou de ser um fato da maioria, porque a realidade das condições do mercado de trabalho no Brasil é muito precária, então esta está sendo a primeira fonte de renda da maioria absoluta desses trabalhadores”, explica.

Para a professora, a pesquisa revela ainda uma certa intencionalidade de que o trabalhador esteja 100% do tempo em atividade, mas isso os expõe a diversos riscos: “Esse tempo acelerado tem levado sobretudo os entregadores, por conta da motocicleta, a muitos acidentes. Esses acidentes foram divulgados por uma outra pesquisa em que entre 60% e 70% dos pacientes que dão entrada no Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da USP são trabalhadores de entrega por aplicativo”.

Fonte: Jornal da USP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *