Jovens aumentam participação no mercado de trabalho

A taxa de desocupação entre a população de 18 a 24 anos pouco reagiu ao longo do ano passado. Foi de 25,7% no 3º trimestre, praticamente estável em relação ao período imediatamente anterior.

Com a lenta recuperação do emprego, jovens aumentaram a participação no mercado de trabalho para contribuir com o sustento das famílias. As informações são do jornal Estado de S.Paulo, com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo a publicação, a taxa de dependentes no mercado de trabalho alcançou 60,1% no 3º trimestre de 2019, maior que o percentual do mesmo período do ano anterior, quando ficou em 58,8%. Em 2014, essa taxa era de 55,8%.

Já a participação de chefes de família na força de trabalho diminuiu, embora ainda seja maioria. Em 2012, o percentual era de 70%. Agora, o percentual caiu quase 4 pontos percentuais desde então.

No 3º trimestre do ano passado, 59,2 milhões de brasileiros não eram chefes de domicílio, 6 milhões a mais do que o registrado em 2014, antes da recessão.

A taxa de desemprego caiu de 11,8% para 11,2% no 3º trimestre de 2019, atingindo 11,9 milhões de brasileiros, diante do aumento por contratações no setor de comércio e do recorde no número de brasileiros que trabalham na informalidade. Nesse caso, o número foi de 24,6 milhões, recorde.

Desemprego entre jovens
Apesar da participação de jovens na força de trabalho aumentar entre as famílias, a faixa é uma das que mais sofre em relação à taxa de desemprego.

A taxa de desocupação entre a população de 18 a 24 anos pouco reagiu ao longo do ano passado. Foi de 25,7% no 3º trimestre, praticamente estável em relação ao período imediatamente anterior.

Está acima da média geral da população (atualmente em 11,2%) e se trata da 2ª maior taxa de desemprego entre as faixas etárias pesquisadas pelo IBGE, ficando apenas atrás da população ainda mais jovem, de 14 a 17 anos. Nesse caso, a taxa chega a 40,6% (996 mil pessoas).

Diante desse contexto, o governo lançou o Programa Verde Amarelo, que busca melhorar o mercado de trabalho para jovens entre 18 a 29 anos. Com desonerações e reduções de encargos, o objetivo é reduzir em 30% o custo de contratação nessa modalidade e diminuir o elevado desemprego nessa faixa etária.

No entanto, o plano conta com resistência em relação à sua fonte de financiamento. O governo propõe taxar o seguro desemprego como forma de custear o programa.

Fonte: Poder 360/com informações do Estado de S.Paulo, e IBGE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.