Artigos de menuUltimas notícias

Movimentos protestam neste sábado em defesa de deputadas na mira da cassação na Câmara

Pedido de cassação movido pelo PL tem como alvo as deputadas Célia Xakriabá (Psol-MG), Erika Kokay (PT-DF), Fernanda Melchionna (Psol-RS), Juliana Cardoso (PT-SP), Sâmia Bomfim (Psol-SP) e Talíria Petrone (Psol-RJ). Ato será em frente ao Armazém do Campo, em Campos Elíseos, na capital paulista

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
O ato público “Lutar Não é Crime” ocorre neste sábado (8), às 14h, no galpão em frente ao Armazém do Campo (Alameda Eduardo Prado, 499, centro de São Paulo) – Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Parlamentares, artistas, intelectuais e representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e de outras entidades vão protestar neste sábado em defesa de deputadas federais alvo de pedido de cassação. O ato será neste sábado (8), a partir das 14h, no galpão em frente ao Armazém do Campo do MST, região central da capital paulista. Intitulado “Lutar Não é Crime”, o protesto faz referência ao slogan de resistência das parlamentares. Na pauta dos manifestantes, a luta em defesa da reforma agrária, dos movimentos sociais e o apoio às deputadas progressistas alvos de um pedido de cassação movido pelo PL, partido de Jair Bolsonaro. 

Desde junho, seis parlamentares feministas e de esquerda respondem no Conselho de Ética da Câmara a um processo por quebra de decoro: Célia Xakriabá (Psol-MG), Erika Kokay (PT-DF), Fernanda Melchionna (Psol-RS), Juliana Cardoso (PT-SP), Sâmia Bomfim (Psol-SP) e Talíria Petrone (Psol-RJ). Segundo o PL, a razão é que elas teriam chamado de “assassinos dos povos indígenas” os deputados que votaram a favor do Marco Temporal (PL 490/2007). 

De interesse da bancada ruralista, o projeto impede a demarcação de terras indígenas e permite a abertura de territórios dos povos originários para a exploração por empresas. Uma medida anti-indígena, como é reconhecida inclusive internacionalmente. “Nós falamos que o marco temporal representa o assasinato dos povos indígenas porque o PL aprovado na Câmara possibilita a revisão de territórios já homologados. Ele tira o usufruto exclusivo do próprio território pelos povos indígenas que está previsto na Constituição”, disse a deputada Erika Kokay em entrevista à edição desta sexta (7) do ICL Notícias, transmitido pela TVT e a Rádio Brasil Atual

Tentativa de silenciamento

O pedido de cassação, no entanto, foi despachado pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), em tempo recorde. O processo chegou a ser rejeitado pela secretaria do Conselho de Ética, que apontou que as condutas deveriam estar individualizadas. 

No mesmo dia que o PL novamente ingressou com o pedido, dessa vez contra cada uma das seis deputadas. Em quatro horas, houve aval de Lira para seguir no órgão. A peça de acusação, porém, é um “copia e cola barato, que pega postagens nas redes sociais, com críticas das progressistas ao marco temporal”, acrescenta Fernanda Melchionna no ICL Notícias.

Para a deputada, a seletividade e rapidez com que andou o processo provam a tentativa de Lira e dos deputados do PL de silenciar as mulheres da oposição. “Temos um pedido de cassação contra golpistas que fizeram apologia ao 8 de janeiro. E ele está há mais de 160 dias parado na mesa de Arthur Lira. Eu acho que ele quer nos dar um recado e deixar a faca no pescoço. (…). E eles escolheram justamente as mulheres que enfrentaram o marco temporal porque é a combinação de uma agenda reacionária, contra indígenas, e um ódio às mulheres que defendem mulheres. Um ódio estrutural do patriarcado, do machismo contra a nossa existência e resistência”, contestou a deputada. 

Apoio crescente

Há, contudo, diversas manifestações de solidariedade que vêm acompanhando as parlamentares. Além do ato neste sábado, uma petição contra a cassação, que tem como meta 200 mil assinaturas, já bateu mais de 198 mil apoiadores, conforme reportou a RBA

As parlamentares do PT e do Psol avaliam que qualquer tipo de punição contra elas dará um “salvo-conduto” para que mais violência política de gênero ocorra nas Câmaras e Assembleias Legislativas do país. 

“Essa ação é tecida, escrita é constituída com as tintas da misoginia e da violência política de gênero. Nós enfrentamos cotidianamente uma violência política de gênero que se expressa na sub-representação feminina no parlamento e também na tentativa de nos silenciar e dominar nossos mandatos. Em estabelecer lugares que são subalternizados dentro do próprio parlamento. Já escutamos “deputéricas”, um trocadilho com deputadas e histéricas. Gaiola das loucas, ‘vocês deveriam dormir e não acordar mais’, ‘mulher que não age como mulher deve apanhar como homem’. Então há uma violência política de gênero que precisa ser enfrentada e não vamos nos calar”, garante Erika Kokay.

O ato público “Lutar Não é Crime” ocorre neste sábado (8), às 14h, no galpão em frente ao Armazém do Campo (Alameda Eduardo Prado, 499, centro de São Paulo).

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *