Artigos de menuUltimas notícias

Pesquisa confirma abismo salarial entre mulheres negras e homens brancos

Remuneração média das mulheres negras no Brasil era de R$ 1.948. Esse valor corresponde apenas a 48% do que homens brancos recebem

Tomaz Silva/EBC
A desigualdade salarial persiste, mesmo com o aumento do número de mulheres negras na população em idade ativa e o avanço da escolaridade – Tomaz Silva/EBC

Um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) apontou que, no primeiro trimestre de 2023, a remuneração média das mulheres negras no Brasil era de R$ 1.948. Esse valor corresponde apenas a 48% do que homens brancos recebem em média, 62% do que as mulheres brancas ganham e 80% do que os homens negros recebem. A pesquisa divulgada nesta segunda-feira (31) foi realizada em referência ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, celebrado em 25 de julho.

De acordo com cálculos, metade da diferença salarial entre mulheres negras e homens brancos está relacionada a características do trabalho, como o tipo de atividade e função exercida. Ela enfatizou a importância de melhorias no campo da educação para combater essa disparidade salarial.

A desigualdade salarial persiste, mesmo com o aumento do número de mulheres negras na população em idade ativa e o avanço da escolaridade. Entre o primeiro trimestre de 2012 e o de 2023, a população em idade para trabalhar no Brasil cresceu 13,4%, enquanto entre mulheres negras esse aumento foi de 24,5%, próximo do observado para homens negros (22,3%), e muito acima do percentual entre homens brancos (2,8%) e mulheres brancas (1,9%).

Melhora nos últimos anos

A participação das mulheres negras no ensino superior e a conclusão dos cursos dobrou desde 2012, passando de 6% para 12% em 2023. Contudo, esse avanço ainda não foi suficiente para melhorar outros indicadores no mercado de trabalho. Apenas pouco mais da metade (51%) das mulheres negras em idade para trabalhar (14 anos ou mais) estavam empregadas ou buscando uma atividade remunerada no primeiro trimestre de 2023.

A taxa de desemprego entre essas mulheres é maior em comparação ao total do Brasil. No primeiro trimestre, a taxa de desemprego para mulheres negras foi de 13,1%, enquanto a média nacional foi de 8,8%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Entre todas as mulheres negras em idade para trabalhar, totalizando 50 milhões no primeiro trimestre de 2023, apenas 44% (22,1 milhões) estavam empregadas. Esse percentual é o menor quando comparado com outros grupos, já que para as mulheres e homens não negros, essa taxa foi de 49,3% e 67,7%, respectivamente”, destaca a pesquisadora responsável pelo estudo, Janaína Feijó.

As mulheres negras empregadas estão predominantemente em funções que têm remunerações mais baixas e estão associadas à informalidade. Cerca de 55% delas trabalham em serviços, vendas ou ocupações elementares. Diversos fatores contribuem para esse cenário, como preconceitos e a falta de oportunidades para capacitação.

A informalidade também se mostra como uma alternativa para mães que não têm suporte financeiro ou cuidados para suas crianças pequenas. Conforme levantamento anterior da pesquisadora do Ibre/FGV, entre 2012 e 2022, o número de mães solo negras cresceu de 5,4 milhões para 6,9 milhões, representando quase 90% do crescimento total observado no período. Do total de mães solo no Brasil, 72,4% vivem em domicílios monoparentais, compostos apenas por elas e seus filhos.

Fonte: Rede Brasil Atual/com informações da Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *