Greve nos Correios. TST marca julgamento pro dia 21


Não teve acordo. A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos não aceitou proposta de conciliação apresentada em audiência sexta (11) pela ministra Kátia Arruda, vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Para mediar o impasse e acabar com a greve que já dura 28 dias, contra a retirada de direitos, a relatora do processo propôs a prorrogação do Acordo Coletivo da categoria, com a manutenção das cláusulas sociais até o final da pandemia.

Apesar dos apelos da ministra, a empresa insiste em extinguir 70 itens do ACT. Com a negativa, o julgamento do Dissídio Coletivo foi marcado para o dia 21.

Segundo Elias Cesário, o Diviza, vice-presidente da Federação Interestadual dos Trabalhadores em Correios (Findect) e presidente do Sintect-SP, não significa que há uma configuração garantida no Tribunal a favor da categoria. “Nem há garantias de que a ECT vá acatar o que esse Tribunal Superior decidir, caso não passe o que ela quer”, afirma.

Diviza afirma que durante a audiência por videoconferência, a própria ministra lembrou que a direção da ECT apelou ao Supremo Tribunal Federal ano passado por não aceitar a decisão do TST.

A magistrada ainda tentou convencer os representantes da empresa em manter cláusulas sociais, como licença-adoção, licença-maternidade para 180 dias, campanha de enfrentamento de violência contra a mulher, assédio sexual e racismo. Mas eles alegaram “impacto financeiro indireto” e não concordaram.

A ministra ressaltou ainda que a argumentação da empresa é incoerente, pois alega crise financeira e prejuízo acumulado como desculpa para destruir o acordo coletivo, ao mesmo tempo em que confirma superávit em 2019 e lucro na casa de R$ 600 milhões.

Para Diviza, não há outra opção aos trabalhadores a não ser lutar até onde for necessário e possível. “Não dá para aceitar o roubo de direitos e renda sem lutar. Não dá para baixar a cabeça e se calar frente ao açoite do explorador, que arranca suor e sangue do trabalhador, reforça Diviza.

O Secretário-geral da Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores), José Rivaldo da Silva reforça: “A greve continua. Vamos intensificar a luta”.

Fonte: Agência Sindical

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.