Comerciários querem fim do fator previdenciário

A aplicação do mesmo percentual de reajuste do salário mínimo para o salário dos aposentados, o fim do “famigerado” fator previdenciário e o fim do banco de horas, são algumas das reivindicações que os trabalhadores no comércio fazem aos presidenciáveis, informa Levi Fernandes Pinto, presidente da CNTC – Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio, que está em Mato Grosso do Sul, para onde trouxe a reunião de diretoria da entidade deste mês.

“O próximo presidente da república precisa tomar conhecimento e decisões que favoreçam os trabalhadores brasileiros e, se possível, se comprometer agora, no período de campanha, com essas necessidades e reivindicações dos trabalhadores”, afirmou Levi, que preside amanhã a reunião de diretoria da CNTC, em MS.

O sindicalista Idelmar da Mota Lima, presidente da Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul – Fetracom/MS e diretor da CNTC, também participa da reunião. Ele reforçou a necessidade dos presidenciáveis firmarem compromisso com a classe trabalhadora “para que haja melhor distribuição de renda no país, em forma de salários dignos e justos”, afirmou.

José Lucas da Silva, sindicalista de MS, presidente da Feintramag MS/MT e diretor da CNTC, também tece duras críticas ao fator previdenciário, “que reduz em até 40% o valor das aposentadorias no Brasil. Esse famigerado fator previdenciário precisa ser, de uma vez por todas, exterminado das relações com os trabalhadores”, afirmou.

PROBLEMAS – Precarização do trabalho, jornadas exaustivas, desigualdade de gênero e falta de fiscalização são alguns exemplos de problemas que os trabalhadores do setor de Comércio e Serviços enfrentam no Brasil. Mesmo após a regulamentação da profissão comerciária, depois de décadas de espera, o imenso contingente de trabalhadores representado pela CNTC ainda precisa enfrentar muitas barreiras a sua dignidade, qualidade de vida e desenvolvimento profissional.

Além de lutar pelos direitos da sua categoria, o Sistema CNTC se articula na defesa e proposição de ações que garantam a todos os trabalhadores brasileiros o emprego decente, a remuneração justa, o acesso à qualificação, à saúde e ao transporte de qualidade, bem como a uma aposentadoria digna, com o fim do Fator Previdenciário.

Esses temas integram o documento “Manifesto da CNTC aos Futuros Governantes – Por um Brasil mais justo para todos os Trabalhadores”, que a CNTC entregará aos candidatos à presidência da República nos próximos dias.

“Ao apresentar nossas posições e argumentos aos candidatos pretendemos chamar atenção para os graves temas em debate sobre as relações de trabalho, principalmente a precarização do emprego, as jornadas exaustivas e a falta de fiscalização, todos temas essenciais para o país”, afirma Levi Fernandes Pinto.

Manifesto da CNTC aos Futuros Governantes – Por um Brasil mais justo para todos os Trabalhadores.

Conheça alguns trechos do documento que aborda as principais bandeiras da CNTC:
Fortalecimento e custeio do sistema confederativo
“A CNTC defende a unicidade sindical e o sistema confederativo com a representação direta do trabalhador. Para tanto, luta pela preservação de sua sustentabilidade econômica financeira, de acordo com a lei em vigor, que estabelece a contribuição sindical – um recurso do próprio trabalhador para assegurar sua adequada defesa e representatividade.”

“Só com a preservação do princípio constitucional da unicidade sindical estará garantida a representatividade dos trabalhadores de uma mesma categoria. A criação de entidades sindicais na mesma base territorial, com as mesmas categorias e com a anuência do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) enfraquece o movimento e prejudica o poder de mobilização das bases nas empresas, além de fragilizar a negociação com os empregadores.”

“Dentro do capítulo da defesa do sistema confederativo, o financiamento do sistema sindical brasileiro precisa se desvencilhar de alguns mitos. O mais grave deles é o de que os sindicatos vivem do dinheiro público. A maioria daqueles que criticam a contribuição sindical não sabe que ela provém diretamente do bolso do trabalhador, sindicalizado ou não, conforme prevê a lei.”

“É o trabalhador que, afinal, repassa 10% da receita total dessa contribuição sindical para a Conta Especial Emprego e Salário, que financia, por exemplo, o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).”

Trabalho Decente
“Imposição de metas inalcançáveis, jornadas exaustivas, polivalência, discriminação pela terceirização, assédio moral e uso inadequado dos instrumentos de hora extra e banco de horas são práticas que precisam ser combatidas pelos três Poderes do país e fiscalizadas com rigor pelos órgãos competentes.”

“Condições degradantes de trabalho também são comuns à grande maioria do contingente comerciário no Brasil. Restrições de acesso ao banheiro, horário inadequado de almoço ou instalações precárias para as refeições fazem parte da rotina do trabalhador brasileiro no Comércio e Serviços, sem contar o assédio sexual e a violência em ambiente de trabalho, enfrentados principalmente pelas mulheres trabalhadoras.”

“Em nome do Trabalho Decente, mobilizaremos nossa categoria e os atores sociais do país para garantir a dignidade do trabalhador e da trabalhadora no ambiente de trabalho, incluindo condições ergonômicas adequadas, salubridade e equipamentos de segurança que resguardem a saúde e a integridade do profissional.”

Terceirização
“(…) A CNTC concentra esforços para assegurar que as mudanças exigidas pelos novos tempos preservem os direitos dos trabalhadores ao regulamentar formas de relação entre as empresas e seus empregados. Entre nossos objetivos está o de impedir que a regulamentação da terceirização torne ainda mais precárias as relações e as condições de trabalho, especialmente dos trabalhadores do setor de Comércio e Serviços.”

“A CNTC, em hipótese alguma, vai comungar com propostas que permitam legalizar as práticas mais arcaicas de precarização do trabalho e a instituição do subemprego, a serviço dos que praticam a acumulação ilimitada de capital e a busca insaciável pelo lucro.”

“A CNTC repudia os projetos de lei que tramitam no Congresso que desconsideram os princípios legais básicos do direito do trabalhador. Somos contrários ao modelo de terceirização que vem sendo praticado no Brasil, quando precariza as relações de trabalho e vai de encontro à Constituição. A isonomia é o pilar de sustentação de qualquer Estado Democrático de Direito. Exigimos tratamento justo e igualitário aos que se encontram em desvantagem social, e que ainda precisam lutar por uma vida digna perante a mercantilização da força de trabalho, que gera alto grau de insegurança social em todo o mundo.”

Trabalho Escravo
“A CNTC comemora com o Brasil a promulgação da emenda constitucional 81 em 5 de junho de 2014, mas alerta que a luta não terminou. É preciso manter a mobilização da sociedade brasileira para que a sua regulamentação pelo Projeto de Lei do Senado 432/2013 não acabe por abrandar os rigores esta
belecidos para aqueles que praticam o trabalho escravo, com a expropriação de suas terras.”

Jornada Justa
“Os comerciários defendem a redução da jornada semanal de 44 horas para 40 horas sem redução de salários – mais justa para o trabalhador e mais vantajosa para o mercado de trabalho. A luta do trabalhador brasileiro por esse avanço vem desde a Revolução Industrial, e ainda hoje uma proposta de emenda constitucional tramita no Congresso para estabelecer a nova regra. A proposta original inclui ainda o aumento da hora extra de 50% do valor da hora normal para 75%.”

“Lutamos também pelo fim do trabalho aos domingos e feriados, com a abertura de novos postos de trabalho, se necessário for. Pleiteamos que o dia de descanso do trabalhador seja respeitado, sendo que, nas atividades que não podem deixar de abrir nos finais de semana e feriados, as escalas sejam previamente aprovadas em acordo ou convenção coletiva (art. 3º da Lei 12.790) e os trabalhadores justamente remunerados pela excepcionalidade.”

“Não é incomum no Brasil, principalmente nas grandes redes de lojas ou supermercados, que o comerciário seja submetido à jornada exaustiva, com exigência de cumprimento de horas extras que, na prática, deixam de ser extraordinárias e fazem parte da rotina do trabalhador. Esse abuso, que inclui maratonas nos finais de semana, impede que ele possa usar livremente seu horário fora do trabalho para atividades junto aos familiares ou com o fim de capacitar-se profissionalmente.”

Redução da Jornada para 40 horas
“Os comerciários defendem a redução da jornada semanal de 44 horas para 40 horas sem redução de salários – mais justa para o trabalhador e mais vantajosa para o mercado de trabalho. A luta do trabalhador brasileiro por esse avanço vem desde a Revolução Industrial, e ainda hoje uma proposta de emenda constitucional tramita no Congresso para estabelecer a nova regra. A proposta original inclui ainda o aumento da hora extra de 50% do valor da hora normal para 75%.”

Fim do Fator Previdenciário
“A CNTC se une ao clamor de todos os trabalhadores brasileiros pelo fim do Fator Previdenciário. Defendemos a aprovação dos projetos de lei que tramitam no Congresso e estão paralisados nos seus escaninhos há anos diante das resistências do governo.”

“A regra para inibir a aposentadoria a partir dos 30 ou 35 anos de trabalho, quando isso acontecer antes de o trabalhador ter 60 ou 65 anos, não passa de uma humilhação ao trabalhador, que fere a sua dignidade ao não poder optar, mas ser obrigado a preservar parcela dos seus rendimentos ou submeter-se ao redutor, obrigando – se a trabalhar até 10 anos a mais, em muitos casos.”

Banco de Horas
“Somos contra a habitualidade do uso do banco de horas. Excepcionalmente, até admitimos sua utilização em tempos de crise para evitar extinção de postos de trabalho. Mas o uso desse expediente precisa ser acertado previamente, e com apoio da representação sindical, para que seja utilizado de forma adequada, sem prejudicar o trabalhador.”

Igualdade de Gênero
“A diferença no tratamento entre o homem e a mulher no mercado de trabalho é um dos grandes desafios do movimento sindical. Levantamentos estatísticos os mais variados demonstram que, de uma forma ou outra, a mulher trabalhadora ainda ganha menos do que o profissional masculino e tem menos oportunidades de ascensão a cargos de chefia.”

Pela ampliação da estrutura de fiscalização
“A ineficiência do sistema de fiscalização dos órgãos competentes e a demora nas decisões punitivas da Justiça brasileira acabam por homologar as práticas ilegais no mercado de trabalho. E a CNTC se manifesta pelo fortalecimento dessa fiscalização.”

“Reafirmamos nosso integral apoio a uma ampla reestruturação da fiscalização do trabalho no país, com ampliação dos quadros do Ministério e de suas representações nos estados para que se coíbam as más práticas e se afirmem o Estado Democrático de Direito e a observância à Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) com todo seu vigor.”

Qualificação Profissional
“A CNTC defende a estruturação de uma política de qualificação do comerciário no país. Muito além da capacidade de financiamento dos sindicatos – mesmo que tenhamos regulamentada a contribuição assistencial que aqui defendemos – é preciso que a categoria seja beneficiada com uma diretriz específica voltada para a sua educação continuada.”

O documento completo será disponibilizado no site da CNTC: www.cntc.org.br

Fonte: Jornal do Estado (MS)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.